Início POLÍTICA Fortalecido, Alexandre Silveira tenta destravar nomeações no Ministério de Minas e Energia

Fortalecido, Alexandre Silveira tenta destravar nomeações no Ministério de Minas e Energia

A reeleição de Rodrigo Pacheco (PSD-MG) para a presidência do Senado deve desbloquear as nomeações para o segundo escalão do Ministério de Minas e Energia (MME). Com quase 40 dias de governo, elas seguem travadas pelo Palácio do Planalto. A indefinição aflige investidores em áreas estratégicas da economia, como o setor elétrico e a indústria de petróleo e gás.

O maior impasse está na indicação de Bruno Eustáquio para a secretaria-executiva da pasta. Servidor de carreira, com passagens pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) e pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), ele foi escolhido pelo ministro Alexandre Silveira para ocupar o posto.

No entanto, sua nomeação está paralisada desde o começo do ano. Os atos criminosos de 8 de janeiro fizeram o Palácio do Planalto congelar a análise de nomes considerados “bolsonaristas”. Entre 2019 e 2022, Eustáquio foi secretário-executivo adjunto do ex-ministro Bento Albuquerque e secretário-executivo de Marcelo Sampaio na Infraestrutura. Apesar de técnico, essa trajetória foi suficiente para entrar na lista de vetados pelo Planalto.

Leia mais

BNDES deve buscar meio do caminho entre política contida e a de Dilma, diz especialista

Lula planeja maratona de inaugurações até abril

Perícia aponta que dano promovido em Ministério da Justiça foi causado por esfera metálica

Alexandre Silveira, mineiro como Pacheco e um dos políticos mais próximos do presidente reeleito do Senado, foi peça-chave na articulação para sua vitória. Por isso, saiu fortalecido do processo e ganhou cacife no governo para destravar as nomeações congeladas.

Todo o segundo escalão o ministério está vago. E a função de secretário-executivo, número dois na estrutura dos ministérios, é estratégica em qualquer pasta. No caso do MME, porém, o posto ganha ainda mais relevância. Silveira é um político experiente, mas ainda está conhecendo os assuntos da área de energia e tem dito a interlocutores que precisa de técnicos experientes ao seu lado.

Depois da escassez hídrica em 2021, que acendeu o fantasma de um racionamento de energia, a situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas hoje é bastante tranquila. No entanto, sobram discussões áridas no setor. Uma delas envolve os incentivos para a geração distribuída de energia, com a instalação de placas fotovoltaicas nos telhados de residências e fazendas solares.

Além de Eustáquio, o ministro indicou ao Planalto pelo menos outros dois nomes para compor sua equipe de auxiliares mais próximos: Thiago Barral, atual presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), para a Secretaria de Planejamento e Transição Energética; e Gentil Nogueira de Sá, servidor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), para a Secretaria de Energia Elétrica. Ambos são técnicos conhecidos e respeitados no setor.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Fortalecido, Alexandre Silveira tenta destravar nomeações no Ministério de Minas e Energia no site CNN Brasil.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Most Popular

Recent Comments