Início DESTAQUES GDF Arte negra e periférica em exposição com apoio do FAC

Arte negra e periférica em exposição com apoio do FAC

As pinturas e desenhos do artista visual Ricardo Caldeira estão expostas na Galeria Mundo Vivo, na 413 Norte. A mostra Caldeira é aberta à visitação de terça-feira a sábado, das 17h às 00h45, e integra o projeto Galeria de Portas Abertas, que propõe a divulgação da produção cultural de regiões administrativas do Distrito Federal. O encerramento da exposição será no sábado (28), às 19h.

O artista Ricardo Caldeira é o terceiro a expor na Galeria de Portas Abertas, projeto realizado com recursos do FAC | Foto: Conde Paladino

Nascido e criado em São Sebastião, Caldeira valoriza a arte negra e periférica, com base em vivências enquanto homem negro e LGBTQIA+, e aborda a interação entre desenho, dança e consciência corporal. A mostra reúne produções de 2021 e 2022.

Durante o período de exposição, cada artista promove visitas guiadas ou oficinas com estudantes de escolas públicas e pessoas atendidas por instituições sociais

“São trabalhos que dialogam muito com as minhas origens e expressões negras, sexualmente diversas, que não remete propriamente a uma expressão tradicional do que é masculino ou feminino. Falo muito de mim, enquanto parte de um conjunto, e retrato o corpo humano a partir de tudo isto”, conta ele.

O artista ganhou o Prêmio Cultura LBGTQIA+, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), em 2021, com o ateliê aberto Desenhandanças – um espaço em que ele compartilha princípios do processo criativo como uma preparação corporal para o fazer artístico. Também lançou o livro Vendaval, um catálogo da produção artística, com desenhos, pinturas e ensaios sobre consciência corporal.

Obras em exposição de Ricardo Caldeira, que conquistou o Prêmio Cultura LBGTQIA+, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), em 2021 | Foto: Henrique Silva

A Galeria de Portas Abertas é um projeto de manutenção do espaço cultural Galeria Mundo Vivo, realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do DF, da Secec-DF. Foram selecionados cinco artistas de diversas regiões administrativas para compor a temporada 2022/23. Cada exposição tem duração de dois meses.

Caldeira é o terceiro artista a participar da iniciativa. A gravurista Íris Ferreira, do Guará II, estreou o ciclo de exposições em junho de 2022. Em setembro do mesmo ano, foi a vez do escultor Delor Martins dos Santos Neto, da Granja do Torto.

A partir de 1º de fevereiro, começa a mostra dos trabalhos do grafiteiro Ramón Phanton, com uma cerimônia de abertura, às 19h. Na data, o artista, que é de Luziânia (GO), vai grafitar a fachada da galeria.

O diretor e curador da Galeria Mundo Vivo, Lucas Neder, conta que, além da experiência em vislumbrar as obras, os visitantes podem desfrutar do espaço da galeria. De terça-feira a sábado, bandas e músicos locais se apresentam no espaço externo, embalando o momento cultural.

Durante o período de exposição, cada artista promove visitas guiadas ou oficinas com estudantes de escolas públicas e pessoas atendidas por instituições sociais. “É muito enriquecedor para o público. Recebemos escolas de várias regiões administrativas, inclusive da cidade na qual o artista mora ou nasceu, mostrando para os alunos que é possível trabalhar com arte”, comenta Nader.

Serviço
Galeria de Portas Abertas – Ricardo Caldeira
– Quando: Até 28 de janeiro. De terça-feira a sábado, das 17h às 00h45
– Onde: Galeria Mundo Vivo (CLN 413 BL D – próximo ao Parque Olhos D’Água)
– Entrada franca

The post Arte negra e periférica em exposição com apoio do FAC appeared first on Agência Brasília.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Most Popular

Recent Comments